Categorias

Últimos Comentários

Arquivo do Site

Um forte abraço

Não tenho certeza de quando encontrei aquele gordinho pela primeira vez. Ele não gostava de cerveja, portanto era uma figura rara no bar do Antonio, ao lado do açougue do Zé. Às vezes aparecia de forma fugaz, cumprimentava a todos com aquele sorriso enigmático, para em seguida abrir uma gargalhada simpática, revelando o seu bom humor tradicional. Talvez por isso eu deva tê-lo visto pela primeira vez na quadra do prédio onde moravam ele, Luís Eduardo, a família Pestana e os irmãos Cacá e Márcio, dentre outros.

Por incrível que pareça, aquela silhueta recheada por muitos bombons, doces em geral e bastante refrigerante, era o invólucro de um jogador de futebol arisco e hábil, dono de um chute muito forte. No futebol de salão essas proezas eram possíveis. Espaços pequenos, atalhos e percursos mais curtos favoreciam mais a criatividade, a inteligência e a potência do arremate. E ele se destacava, quase sempre, pelo inesperado.

Mas ele era mais do que bom de bola. Comportava-se de forma educada, extremado na cortesia, anfitrião como poucos, muito sagaz nos comentários, de fina ironia e bastante inteligência na condução dos assuntos, ele sempre foi um amigo admirável. Construiu uma carreira profissional consistente e equilibrada, constituiu uma bela família, cativou a amizade de quem o rodeava. E ainda torcia pelo Flamengo, compartilhando comigo muitos momentos de alegria rubro-negra no Maracanã e em outros estádios.

Gostava da boa música, do rock clássico e de grupos com os quais eu também me identificava. Fui presenteado por ele com algumas pérolas gravadas em CD ou DVD, hobby desenvolvido em paralelo à área de atuação, pela afinidade de conceitos. Até preciosas transposições de antigas fitas VHS familiares em DVDs ele me fez.

Enfim, como não há perfeição, ele abusou na execução de seus dribles, nos surpreendendo com a finta mais indesejável e inimaginável, deixando-nos surpreendidos com a sua passagem precoce.

Teríamos comemorado ontem mais um aniversário do nosso saudoso Eduardo Marinho, lembrou muito bem o Oscar, outro amigo comum. É impossível deixar de sentir a falta daquela figura.

Tive um enorme privilégio de poder contar com a sua sincera e querida amizade, meu prezado Edu.

Um dia nos reveremos para colocar o papo em dia.

Um forte abraço.

Intimorata

Feliz estar mais velho,

mais sensível e inexato,

escolhas, fazemos todos,

 vidas diferem em formato.

Mas não se foge dos riscos,

folhas em branco e atos,

palavras sem capricho,

feitas frases, feitas fatos,

mais ou menos tempo,

imagens, filmes, retratos,

memórias incríveis perdidas,

papéis, minutas, contratos,

argumentos plausíveis,

cuidados, zelos, recatos,

acordos, reservas, ideias,

reflexões, juízos, relatos,

ganhos, presentes, surpresas,

perdas, ausências, hiatos,

repentes, velozes, fugazes,

etéreos, vagos, candidatos,

prefácios, capítulos, epílogos,

resumos, dizeres, boatos,

lágrimas, rios, oceanos,

 córregos, riachos, regatos,

chorar, sorrir, sobreviver

amar, viver, ultimatos.

Parabéns, minha filha querida.

Feliz Aniversário!

EU TE AMO!

 

Tempos de oportunismo explícito

Meu pai nasceu em 1930. Era negro, trabalhou desde garoto sem prejuízo dos estudos e não precisou do sistema de cotas, então inexistente, para fazer o curso universitário gratuito. Constituiu família aos 25 anos, com um bom emprego e um futuro promissor. Era um homem normal, que gostava de futebol, de samba e de cerveja. Em 1972, ao falecer com 42 anos incompletos, respondia pela diretoria de contabilidade de um grande conglomerado brasileiro, abrangendo uma construtora, um hospital e uma famosa rede de lojas de âmbito nacional.

Além de jamais testemunhar qualquer injúria racial dirigida a ele, em tantas vezes saindo juntos em ambientes variados, também nunca o ouvi se queixando de tratamento diferenciado, de humilhações ou de agressões preconceituosas para justificar seus insucessos. Nem o vi afirmar ter alcançado o topo de sua carreira “apesar de ser negro” e ao seu redor ninguém o chamava de guerreiro. Não posso garantir que ele tenha ficado imune às discriminações, só ele poderia relatar isso. Mas, se ocorreram, ele não as potencializou, preferiu se manter ínteiro e focado em ascender social e profissionalmente. Foi um grande vencedor e, depois que o sucesso vira hábito, tudo fica mais fácil.

A dedicação absoluta e a maior competência sobrepujam qualquer argumento contrário, se impõem com a firmeza de propósitos e com a inarredável persistência em se conseguir o almejado. É indiscutível não bastar o talento numa árdua escalada, pois há também quesitos importantes como estar no lugar certo, no momento certo. Qualquer falha na atenção pode significar um irrecuperável desperdício de energia e o desvio irreversível de uma caminhada exitosa.

Meu pai possuía um caráter íntegro e uma personalidade forte. Suas atitudes tornavam excludentes a vitimização e o oportunismo, suas vitórias pessoais se mostravam naturais e incontestáveis, seus exemplos duradouros. Sua memória é um legado mantido há quarenta e seis anos, para meu orgulho.

Sempre me constranjo quando vejo declarações carregadas de ódio, de autocomiseração, de desequilíbrio, buscando culpar terceiros, concorrentes, a sociedade e quem mais for possível pelos insucessos. Talvez em razão de ter convivido com as características marcantes do meu pai. E deploro ainda mais se a contundência dos ataques se escora em partidarismo, ideologia e até aproveitamento indevido de situações trágicas, misturando a verdade com outros interesses.

Somos todos iguais nos sucessos ou nos infortúnios. Só nos distinguimos pelo caráter, pela personalidade e pela competência.

O resto é vitimização, fragilidade ou oportunismo, alavancando uma propaganda nefasta e interessante apenas para os perdedores e para os detratores de plantão. Esses sim merecedores de respostas fortes e objetivas, através de atos construtivos e não de vazias justificativas.

 

 

Um mundo em trevas

Enquanto vivemos de centelhas de sabedoria, de faíscas de inteligência, de modestas sinapses, apaga-se um brilho ofuscante, uma luminosidade singular. Ao se extinguir a chama de vida do cientista Stephen Hawking, uma existência dedicada à Física e à Cosmologia, o mundo mergulha um pouco mais na atual escuridão.

Em tempos de degeneração do ser humano como espécie, e em meio à acomodação costumeira das pessoas em geral, Hawking se transformou num exemplo de perseverança. Ele não se limitou à sua genialidade ou à fulgurante colaboração de seus estudos e de suas revolucionárias teorias. Travou um embate quase a vida toda contra uma gravíssima doença, a Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), diagnosticada aos vinte e um anos com prognóstico de pouco tempo de vida.

Enfrentar a enfermidade foi uma opção árdua, diante da limitação extrema a impedi-lo de efetuar os mais simples movimentos. Mas isso não o impediu de aprimorar os seus conhecimentos, desenvolvendo a mente genial de maneira inacreditável. Suas pesquisas e conclusões trouxeram à humanidade visões vanguardistas em suas áreas de atuação.

Enquanto isso, próceres de QI de ameba governam grandes potências e brincam de apertar botões e acabar com o planeta. Semianalfabetos presidem países, roubam o povo e saqueiam nossas riquezas. Mentes obscuras, retrógradas e inúteis desviam fortunas e a atenção do mais importante, enganam a população e passam de filhos para netos o legado de nossos esforços e nossos suores.

E, quando se perde uma luz potente como Stephen Hawking, por ironia autor de “Uma breve história do tempo” e “O universo numa casca de noz”, essa gente travestida de sombras nos reduz a vivências episódicas, nos apequena como seres, nos aprofunda em  indizíveis trevas.

“Look up at the stars and not down at your feet”  – Stephen Hawking

 

Mulher

Acione o vídeo e leia o texto ouvindo o som. Se quiser ver os detalhes do vídeo, assista depois, com calma. 

Se elas se reinventam, me obrigo a fazê-lo para falar delas sem usar clichês. Para se deitarem ao nosso lado, se produzem, se perfumam e antes de dormir, exaustas, oferecem beijos de boa noite. Mas as vemos dormirem e acordarem sempre prontas para as mais acirradas batalhas, para os embates pela sobrevivência, traçando estratégias nas reflexões noturnas e se dispondo a recomeçar um dia árduo após o outro.

Não chegam a usar uniforme de guerra, nem armas pesadas, pelo menos visíveis. Bastam o charme, a beleza, a inteligência e tantos outros predicados convincentes. Já foram mais tensos os confrontos, os tempos não perdoaram a inexperiência diante do preconceito e da desigualdade. Os ambientes hostis à ascensão social e profissional martirizaram valores, pulverizaram sonhos, censuraram a liberdade.

Mas a persistência e o olhar curioso sobre um futuro nebuloso serão sempre combustíveis de alta octanagem para abastecer de muita esperança um suposto protótipo inacabado, um ser muito sensível e despreparado para os enfrentamentos perversos. E essa pseudo comprovação se repete até hoje, pouco importam a qualificação, o aprimoramento e os resultados apresentados.

Mesmo os 19% de formação superior contra os 13% do público masculino não foram suficientes para reduzir a diferença de 25% na remuneração entre um e outro. Muito menos para evitar as restrições às carreiras exclusivas dos homens. As piadas, as teses, as avaliações preconceituosas viram barreiras sólidas, sórdidas, embora não intransponíveis.

E ninguém nos seduz tão sabiamente, não há quem nos encante tão simplesmente, não existe quem nos complete tão perfeitamente.

Mesmo quando seja imperceptível, quando pareça impossível, quando se suponha resistível.

Afinal, a singularidade da mulher não está nos olhos tão verdes quanto o mar mais lindo; no sorriso mais cativante; nas feições refinadas qual obra de arte; no coração muito generoso; no caráter e na moral irretocáveis; na trajetória mais admirável, como filha, irmã, mãe ou companheira.

A inatingível perfeição da mulher se traduz na soma de suas virtudes, num conjunto íntegro e equilibrado, garantido somente a ela.