Home » Textos » São Sebastião do Rio de Janeiro

Categorias

Últimos Comentários

Arquivo do Site

São Sebastião do Rio de Janeiro

No final do século XVI, naquele distante dia 20 de janeiro de 1567, quando Estácio de Sá lutava para libertar a cidade dos franceses, a flecha envenenada e certeira no rosto não lhe tirou a vitória, mas lhe custou a vida um mês depois.

Dos sangrentos relatos da batalha final, deflagrada no atual Outeiro da Glória, os sobreviventes e vencedores realçaram o heroísmo, relegando a selvageria a um plano secundário. Não havia glamour, hoje em dia tampouco. Quatro séculos e meio após, vivemos um massacre diário, metamorfoseando inocentes em estatísticas.

Ao circularmos por vias importantes desse Rio de Janeiro castigado, os cariocas correm risco de morte todo o tempo, em qualquer horário, em qualquer lugar. Até justificaria usarmos a antiga armadura dos portugueses, o acará batizado pelos tupinambás. Nem todos têm casas ou ocas. A expressão acaraoca ou a posterior derivação carioca já não traduzem bem os nativos desses dias.

O 31/01/2018 foi mais um dentre tantos dias de caos nesse São Sebastião do Rio de Janeiro do século XXI. Inexistem índios e flechas; quase nenhum francês ou português; sobram injustiça, violência, vítimas e sangue. Em pleno dia, às 10:30, trafeguei por um tiroteio na Linha Amarela, na Cidade de Deus. Minutos em seguida, soube de outro confronto na Grajaú-Jacarepaguá. Posso estar na foto acima. Eu sofri pessoalmente, sem precisar do alegado masoquismo atribuído à imprensa pelo ministro da Defesa.

A propósito, vivemos uma época de desqualificação geral, de desuso dos valores humanos, de banalização da vida. A moral, a ética e os bons costumes ficaram no passado cantando bossa nova, enquanto a Anitta e o Pablo Vittar posam de celebridades musicais, sem espaço em suas agendas para shows e comerciais.

Admiramos a classe e a educação do Roger Federer e incensamos de maior expoente esportivo um Neymar dissimulado, mal educado e egocêntrico. Antigamente, os falsos ídolos tinham pés de barro e agora são rascunhos mal feitos. Esse é o resultado de gerações sem educação, sem cultura, de milhões de jovens longe da escola e do trabalho. Eles cultuam gente sem conteúdo, fazem apologia à baixaria, aos hábitos promíscuos e muitas vezes ao crime.

Em meio a tamanha desordem, ninguém em sã consciência pode falar em longo ou médio prazo, se pretende continuar aqui. Um cotidiano trágico, desesperador e horripilante passou de sombra a espelho.

E não se projeta a menor perspectiva otimista para um amanhã cada vez mais obscuro.

Seria possível, São Sebastião, aceitar pedidos de não devotos?

Caso arrisquemos o pedido, o prefeito poderia alegar alguma razão para triplicar o nosso IPTU?

 


Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *